Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

vila de cano - canoonline - João Mot@



Mensagens

Quarta-feira, 10.10.12

Um Filho da Terra de nome; João Richau

Image and video hosting by TinyPic

 

João Richau nasceu na Vila do Cano, Alto Alentejo, em 1961. Filho e neto de trabalhadores. Fez os seus estudos primários nessa vila, tendo prosseguido no então Ciclo Preparatório e no Curso Geral dos Liceus em Avis. Os estudos do ensino secundário foram realizados em Estremoz, na área da Quimicotecnia. Rumou a Lisboa em 1981 para estudar biologia na Faculdade de Ciências, tendo concluído a licenciatura em 1986, com 16 valores.

Durante 10 anos, entre os 13 e os 23 anos, trabalhou sempre nas férias de verão e, em certos anos, também nas férias de Natal e de Páscoa. Durante esses penosos anos, acompanhava voluntariamente o seu pai nos trabalhos de construção civil, à moda antiga. Com rigor e muito trabalho manual. Percorreu também o circuito, normal para os estudantes da época, da apanha da azeitona, da colheita do tomate e do grão-de-bico, este último, levado a cabo de madrugada. Desta fase da sua vida, o trabalho mais relevante que recorda foi o da recuperação da secular torre do Edifício da Junta de Freguesia de Cano, que se encontrava já muita degradada.

Deu as suas primeiras aulas, de biologia e geologia, no estágio pedagógico, em 1985, no Liceu Maria Amália, em Lisboa. Passou depois pelo Liceu Camões, pelo Colégio Moderno, pela EPA, pela Escola Secundária de Santo António dos Cavaleiros e pela Escola Secundária de Loures-1. Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e a Tecnologia – FCT e investigador de mestrado e de doutoramento no IST - Instituto Superior Técnico, em Lisboa, entre 1992 e 2002, tendo publicado nesse período diversos artigos em revistas internacionais da especialidade, em revistas nacionais e em livros de atas de congressos. Concluiu o Mestrado em Biotecnologia (Engenharia Bioquímica) em 1995, IST, Lisboa, com Muito Bom e o Doutoramento em 2002, IST. Desde abril de 1991 que é professor do ensino superior privado, onde chegou a lecionar para mais de 500 alunos num só ano.

João Richau foi autarca no Alentejo, em Assembleias Municipal e de Freguesia, eleito em listas partidárias e numa lista de independentes, durante três mandatos. Foi também colunista do jornal Notícias de Sousel, desde o nº 47 ao nº 65, tendo abandonado por motivos da sua participação numa lista de candidatos independentes aos orgãos do município de Sousel. Foi empresário individual e sócio-gerente de uma empresa na área da informática. Foi, ainda, formador, em diversas cidades do país, na área da saúde, higiene e segurança do trabalho.

No domínio da literatura, tem como principais referências internacionais Thomas Mann, Franz Kafka e Gabriel Garcia Márquez. Os autores portugueses que mais aprecia são Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco, José Saramago e José Rodrigues Miguéis. Outras referências, no estilo narrativo e no romance histórico, para ele muito relevantes nos últimos anos, são Steven Saylor, Christian Jacq e Wilbur Smith. No domínio da poesia, nutre admiração pela vida e obra de Camões, Bocage e Florbela Espanca.

Os vultos que mais aprecia na história das ciências da vida são Gregor Mendel, Charles Darwin, Alois Alzheimer, Thomas Morgan, James Watson e Stanley Prusiner. Em Portugal, admira muitos biocientistas contemporâneos, mas não é oportuno nomeá-los.

 Recentemente abarcou o mundo da escrita literária, tendo já publicado dois romances, A Fundação, Chiado Editora, 2012 e Camaleão… ou talvez não, Bubok, 2012 e um livro monográfico Contibutos para uma monografia sobre a Vila do Cano, Bubok, 2012. Na presente data, tem mais um livro escrito e pronto a publicar: A Cooperativa sem fins lucrativos (mas o atual momento ainda não é oportuno). Encontra-se presentemente a escrever mais dois romances: As águas do Rio Arcano (continuação de A Fundação) e O Vidente.

A experiência emocional mais marcante da sua vida foi a paternidade, aos 25 anos e o episódio mais traumatizante foi a morte do pai, aos 30 anos. Os maiores motivos de esperança foram o 25 de Abril de 1974 e a queda do muro de Berlim, em 1989. A situação mais angustiante é a atual cena política, social, económica e financeira da Europa e do mundo ocidental, a caminho do precipício. A angústia de longo prazo deve-se à insustentabilidade ecológica do presente modo de vida humano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por @Mota@ às 09:59



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Contador


Visitas

online



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D